Osteonecrose da cabeça do úmero

Uma senhora de 70 anos procurou-me no consultório com dor intensa no ombro esquerdo e dificuldade para executar os movimentos do braço . Já tinha esta dor há cerca de 6  meses e negava um trauma local . Tinha realizado tratamento para mieloma múltiplo (quimioterapia) .

As radiografias e a ressonância mostravam uma lesão na cabeça do úmero , compatível com o diagnóstico de osteonecrose . Foi realizada uma cirurgia para colocação de uma prótese parcial do ombro e a paciente obteve uma excelente recuperação , recuperando as funções do ombro e livrando-se da dor .

Faço o comentário sobre a osteonecrose :  trata-se de uma alteração óssea relacionada com uma disfunção da vascularização  óssea . Acomete mais frequentemente o quadril ( cabeça do fêmur ) e o joelho . Pode estar associada ao uso de alguns medicamentos ( corticóides , como foi o caso acima) , ao uso abusivo de álcool e pode também ocorrer após fraturas . Em alguns casos não detectamos a origem do problema .

Ressonância Magnética mostrando osteonecrose da cabeça do úmero

Artroplastia ( prótese ) do ombro

Segue link para um caso semelhante .

 

 

 

Fratura de tornozelo

Uma torção no tornozelo pode se apresentar de diversas maneiras . Pode levar a uma leve lesão dos ligamentos do tornozelo ou também pode acarretar fratura em um ou mais ossos desta articulação . Abaixo demonstro um caso de entorse de tornozelo de um paciente com 45 anos durante a prática de futebol . Houve uma fratura do osso da fíbula ( do lado de fora do tornozelo ) , associada a uma lesão ligamentar da parte interna ( ligamento deltóide ) . Realizamos uma cirurgia para fixação e alinhamento da fíbula . Não houve necessidade de reparo ligamentar . Após um mês de cirurgia o paciente começou a andar com o uso de uma bota especial ( robofoot) , após 2 meses estava andando normalmente e após 3 meses começou a correr .  Liberaremos o paciente dentro de um mês para retorno ao esporte .

Fratura do maléolo lateral , antes da cirurgia

Raio-x após 3 meses , com fratura estabilizada com placa e parafusos

Raio-x após 3 meses , com fratura estabilizada com placa e parafusos

Paciente politraumatizado – fratura de fêmur , clavícula , joelho e costelas

Atendi um paciente de 49 anos , homem , que foi vítima de um acidente automobilístico nas ruas de São Paulo . Estava na posição de carona e o carro foi atingido lateralmente por um ônibus. Além dos achados que descreverei a seguir , um fato daria um contorno mais difícil a este caso : o paciente já fora vítima de outro acidente há mais de 20 anos e na ocasião foi submetido a uma amputação da perna , abaixo do joelho .

Os achados ortopédicos incluiam : fratura do fêmur direito , fratura do joelho direito , fratura da clavícula esquerda e fratura de costelas do lado esquerdo . Diante disto , decidimos pela estabilização das fraturas acima ,com exceção das costelas , que deverão consolidar naturalmente com o tempo . Usamos placas e parafusos na clavícula e no joelho e uma haste intra-medular no fêmur .Em relação ao pós-operatório , que ainda está no início , daremos atenção especial a fisioterapia para o joelho e o fêmur e que o paciente consiga sentar o mais precocemente possível . Não permitiremos a caminhada antes de 1,5 mês , porque houve a fratura da clavícula e o paciente não poderá usar nem andador e nem muletas e ainda usa uma prótese na perna esquerda . Abaixo coloca as radiografias pré e pós operatórias.

fratura da clavícula depois da cirurgia

fratura da clavícula antes da cirurgia

fratura do fêmur depois da cirurgia

fratura do fêmur antes da cirurgia

fratura do joelho antes da cirurgia

fratura do joelho depois da cirurgia