Início » Coluna » Dor nas costas : fácil solução , difícil resolução . A vida caótica das grandes cidades e a medicina …

Dor nas costas : fácil solução , difícil resolução . A vida caótica das grandes cidades e a medicina …

Hoje atendi uma senhorita de 30 anos com uma história bastante comum presente no consultório dos ortopedistas . Ela se queixava de dores nas costas , desde a região dorsal ( meio das costas ) , passando pela lombar e com irradiação para a coxa direita . A dor já vinha lhe incomodando há mais de 1 ano mas tinha piorado no último mês . Também se queixava de desconforto no joelho .

Com este quadro , de imediato já pensamos num problema mecânico na coluna , com irritação do nervo ciático ( irradiação para as pernas ) . Pergunto sobre a sua rotina diária : mora no ABC paulista , acorda às 6h , pega o transporte para o centro de São Paulo e chega ao serviço às 8h . Durante seu expediente , fica sentada na frente do computador na maior parte do tempo. Trabalha até as 17, 18h e depois retorna para a sua casa , chegando por volta das 20h , quando trânsito ajuda ! Tem um tempinho para as crianças , para o marido talvez , e o outro dia já está começando . Final de semana reserva para as coisas de casa e um pouquinho para os pequenos . São histórias parecidas como esta que ouvimos muitas e muitas vezes dos nossos pacientes . A vida moderna não está nada fácil nos grandes centros . Estamos escravos do trabalho e parece que vivemos para trabalhar e não que trabalhamos para viver .

Faço o exame físico , percebo que a paciente está gordinha ( pesa 78 kg , há um ano pesava 71 , o que dá um ganho de 10% ) . As dores na musculatura paravertebral ( ao lado da coluna , que ajuda a sustentá-la ) estão presentes , mas sem nenhuma gravidade maior . A falta de flexibilidade também me chama a atenção . O joelho apresenta uma crepitação , faz um crec-crec , parecendo faltar lubrificação .

Complemento com exames de raio-x simples . Eles me mostram uma pequena escoliose ,que a paciente já dissera possuir desde os 15 anos . Nada significativo , nada grave .
Caso solucionado : lombalgia mecânica , com irritação do nervo ciático , condropatia ( inflamação da cartilagem ) do joelho .

Se o diagnóstico foi fácil , a resolução do problema parece mais difícil . Prescrevi inicialmente uma medicação anti-inflamatória e algumas sessões de fisioterapia . A tomada do remédio e o alívio imediato da dor são a parte mais simples do tratamento . A realização da fisioterapia é factível , é um pouco chata de realizar , mas também pode ser cumprida pela maioria dos pacientes . Mas o resto do tratamento , que considero mais importante , é difícil de ser realizado , exigindo paciência ,  dedicação , perseverança e ….TEMPO .

Para resolvermos o problema da coluna , teremos que trabalhar alguns conceitos importantes :

1) perda de peso : o sobrepeso é causa importante de dor na coluna e de dor nos joelhos. Para perder peso , não existe fórmula simples , quem a descobrir ficará rico . A dupla exercício-dieta ajuda muito na perda de peso , mas como fazer isso trabalhando o dia inteiro , comendo fora de casa  , não tendo tempo para se exercitar ?

2) exercícios : além de ajudar a perder peso , os exercícios de alongamento e fortalecimento da musculatura da região lombar , abdominal , glúteos e membros inferiores garantem uma proteção para a coluna como um todo , diminuindo a ocorrência de problemas nos discos intervertebrais , nos nervos paravertebrais e nas articulações da coluna e da coluna com a bacia . Mas como fazer os exercícios, como conciliar sua realização com esta rotina maluca a que estamos submetidos ? Difícil de dizer …

3) ergonomia : como ficamos muito tempo sentados na frente do computador , é importante que fiquemos bem acomodados , já que vícios posturais podem agravar problemas da coluna lombar . Assim , uma cadeira confortável , uma boa mesa , um telefone adequadamente posicionado contribuem para tornar o dia menos desgastante.

Enfim , o cenário parece meio desanimador . O que penso , na verdade , é que a nossa cidade ( e sociedade)  está (ão) doente (s) e seus moradores obviamente sofrem as consequências desta desorganização social. A qualidade de vida das pessoas está deteriorada e um longo trabalho de reorganização social terá que ser desenvolvido para um resolvermos os problemas físicos dos pacientes -moradores da nossa metrópole.

Atualização : ontem escrevi este post , hoje li na Folha uma interessante entrevista de um pensador italiano , na qual ele pondera :

TEORIA…

Hoje, a força de trabalho é composta apenas por um terço de operários, outro terço de trabalhadores intelectuais em funções executivas (bancário, recepcionista etc.) e um último terço de funcionários com atividades criativas (jornalista, profissional liberal, cientista etc.).

Se o trabalho for repetitivo, cansativo, chato, de subordinação, reduz-se a uma escravidão, a uma tortura, a um castigo bíblico. Nesse caso, a única defesa consiste em trabalhar o menos possível, pelo menor número de anos possível.

Mas se, em vez disso, for uma atividade intelectual e criativa –que corresponde à nossa vocação e ao nosso profissionalismo–, então ocupa toda nossa inteligência e satisfaz nossas necessidades de auto-realização. Nesse caso confunde-se o trabalho com o estudo e com o lazer, transformando o trabalho em ócio criativo.

Na vida pós-industrial, organizada para produzir principalmente ideias, não existe trabalho e não existe horário. Existe apenas ócio criativo, que dura 24 horas, mesmo quando se dorme e se produz ideias sonhando.

…E PRÁTICA

As empresas ainda não se deram conta deste novo momento global. A oferta de trabalho diminui e a procura por trabalho cresce, mas as empresas não reduzem a carga horária. Poderíamos trabalhar todos e pouco, mas alguns trabalham dez horas por dia enquanto seus filhos estão desempregados.

As tecnologias da informação possibilitam o teletrabalho, mas todos continuam a trabalhar nas empresas. A produção de ideias precisa de autonomia e de liberdade, mas as empresas tornam-se cada vez mais burocráticas. As distâncias culturais entre os chefes e os funcionários diminuem, mas as das faixas salariais aumentam. As empresas pregam colaboração, mas estimulam competitividade.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s