Fratura-luxação do ombro

Neste feriado atendi uma paciente com uma história inusitada. Relatava que três dias antes de me procurar, passeando num dos parques da Disney, em Orlando, ao sair de uma das atrações, se desequilibrou e caiu no chão. Ao apoiar a mão, tentando diminuir o impacto da queda, sentiu o ombro sair do lugar. Recebeu os primeiros socorros no parque e foi encaminhada a um hospital da região . Os médicos então fizeram o diagnóstico da situação : fratura-luxação do ombro . Eles  tentaram, sob anestesia, por mais de uma vez, reduzir o ombro, ou seja , colocá-lo no lugar. Infelizmente este procedimento não teve o objetivo alcançado e , diante disso, lhe disseram que teria de ser submetida a uma cirurgia. A paciente e seus familiares, sentindo-se inseguros em realizar tal procedimento no exterior, solicitaram  que tivesse alta e decidiram retornar ao Brasil para finalizar o tratamento. Mesmo com muita dor e imobilizada com tipóia, voaram de volta e imediatamente me procuraram.

Curiosamente, a mãe da paciente, anos antes, já tivera situação semelhante e fora por mim atendida no ps. Felizmente, naquele caso, tive sucesso em resolver a luxação do ombro com uma manobra simples de redução     .Abaixo ilustro como normalmente reduzimos uma luxação do ombro .

Voltando para o caso atual ,  avaliei a paciente clínica e radiograficamente e constatei   uma fratura-luxação do ombro , exatamente como lá nos EUA . Internei a paciente e , no dia seguinte pela manhã ,  a operei   .Abaixo mostro as imagens de raio-x e tomografia computadorizada antes da cirurgia.

20150420_08343220150420_08345420150420_083503

Não foi um caso fácil, o fato da cabeça do úmero ter ficado deslocada por 3 dias dificultou a redução , mas ao final da cirurgia conseguimos ter uma posição adequada do ombro , com uma fixação da tuberosidade maior com um parafuso e alguns pontos transósseos de alta resistência ( estes não observados na radiografia pós operatória ) . Abaixo estão as radigrafias pós-operatórias .

20150418_110614

20150420_083529

Hoje , dois dias após a cirurgia , a paciente teve alta sem dor . Deverá ficar com uma tipóia por cerca de 5 semanas , começando uma fisioterapia dentro de um mês . Voltarei oportunamente a este caso para relatar a sua evolução final.

Congresso de ombro na França – Nice

Entre os dias 5 e 7 de junho passado estive num congresso de ombro  na belíssima cidade francesa de Nice ,  na parte sudoeste daquele pais . O congresso , organizado pelo prestigiado professor Pascal Boileau , contou com a presença de quase 1000 médicos de todo o mundo . Estávamos em quase cinquenta brasileiros e pudemos discutir as últimas novidades da Ortopedia no que se refere aos problemas do ombro.

niceshouldercourse

Desde novidades anatômicas , passando também  pelos quadros de instabilidade do ombro ( luxação ) , de lesões do manguito rotador ( tendão  ) , de desgaste ( artrose ) e de fraturas que acometem esta área , os professores puderam difundir novas técnicas , novos conceitos e amadurecer um conhecimento que vem aumentando ano a ano .

Foram comentadas cirurgias realizadas e transmitidas ao vivo , quando os participantes  puderam observar detalhes , dicas e aprender como evitar complicações nos procedimentos  .

congresso

Foi um congresso bastante interessante e enriquecedor , já que a medicina francesa rivaliza em qualidade com os melhores centros americanos , com alguns pensamentos diferentes destes , que nos ajudam a compreender melhor a CIRURGIA DO OMBRO.

Além do aspecto acadêmico , pude também aproveitar e esticar um pouco a viagem e conhecer esta região belíssima . Tive a oportunidade de  conhecer lugares como Cannes , Antibes , Aux-en-Provence , Saint Paul de Vence e Monaco . A gastronomia local foi também um ponto de destaque desta viagem . Certamente é um destino que merece ser conhecido .

 

Dicas para uso de gelo na Ortopedia

O uso do gelo na Ortopedia é muito frequente . Pode ser utilizado em diversas situações , como :

– em processos traumáticos agudos  ( contusões , entorse , luxações e fraturas ) ;

– processos crônicos , como tendinites , bursites , sinovites , artrite ou artrose ;

– pós-operatórios .

O ortopedista pode dar algumas dicas para que o gelo seja usado de forma mais eficaz e segura :

1) em traumas , deve ser iniciado o mais brevemente possível , antes que o inchaço se estabeleça . Nestas situações , seu uso após as 48 horas passa a ser menos importante ;

2) pode ser feita uma massagem suave , alterando-se a posição do gelo enquanto aplicado ;

3) principalmente nos membros inferiores , deve-se também deixar o local em posição mais elevada em relação ao coração , o que também favorece a diminuir o inchaço ;

4) deve-se tomar cuidado com o tempo de aplicação do gelo . Em linhas gerais , quanto menor a área , menos tempo de aplicação , devendo-se evitar períodos maiores do que 15 a 20 minutos . Depois que  a região resfriada tenha se aquecido novamente , o que se dá em média após 45 minutos , nova rodada de gelo poderá ser realizada . Pode-se repetir este processo várias vezes , dependendo da disponibilidade e paciência do paciente.

5) existem alguns dispositivos especiais para este fim ,como bolsas de borracha , bolsas de gel , joelheiras ou ombreiras . Na falta destes , um saco plástico com gelo picado é uma boa alternativa . É importante colocar uma fina toalha ou tecido com o intuito de prevenir queimaduras térmicas na pele .