O que você precisa saber sobre prótese do quadril ( artroplastia do quadril )

A artroplastia do quadril é um dos procedimentos mais realizados na ortopedia,  seguindo de perto as substituições do joelho ( dados americanos ). Muitas pessoas tem artrose do quadril, mas pode ser difícil saber quando é o momento exato para realizar uma cirurgia de substituição . Além disso, há muitas dúvidas sobre o que esperar de uma cirurgia no quadril. Você poderá  encontrar algumas informações  sobre a cirurgia de substituição ( prótese ) do quadril aqui.

Sobre a artrose do quadril

A artrose é o desgaste da cartilagem que recobre o osso e , no caso específico do quadril , envolve o desgaste da cartilagem da cabeça do fêmur e o desgaste da cartilagem da parte da bacia com a qual o fêmur se articula , chamada de acetábulo. Além da cartilagem , ligamentos presentes nesta articulação e pequenas estruturas chamadas de labrum também são alteradas e levam a um quadro doloroso .

O principal motivo da artrose é um desgaste natural e neste caso chamados de osteoartrite degenerativa . Existem outras causas de artrose , ditas secundárias , entre as quais destacamos : sequela de trauma,  artrite reumatóide , lúpus, osteocnecrose , sequela de luxação congênita .

Estou pronto para a prótese ?

A prótese do quadril  é executada quando o desgaste atingiu um ponto crítico , quando os sintomas dolorosos já não podem ser controlados com medidas não-operatórias . Em um processo de substituição do quadril, o cirurgião remove a superfície danificada e a substitui por um implante artificial.

A artroplastia total do quadril é uma grande cirurgia e a opção por fazê-la é uma grande decisão. Conhecendo melhor o problema e as alternativas terapêuticas , o paciente pode decidir melhor.

Alternativas para a prótese

O tratamento da artrite quadril deve começar com as opções mais básicas e , dependendo da intensidade dos sintomas , avançar para o mais complexo, que pode incluir a cirurgia. Nem todos os tratamentos são apropriados para todos os pacientes , o médico deve escolher aquele que se encaixa melhor para aquele paciente em particular.

A prótese é geralmente reservada para pacientes que já tentaram todos os outros tratamentos e ainda tem dor significativa durante as atividades do dia-a-dia . Os pacientes que tem dor ocasional e são capazes de participar de atividades esportivas, ou ainda não tentaram medidas não-operatórias de tratamento , não devem partir inicialmente para uma prótese. As opções de tratamento não-cirúrgico incluem:

  • Perda de peso
  • Modificações de atividade
  • Medicamentos anti-inflamatórios
  • Suplementos para cartilagem
  • Fisioterapia

Quanto tempo dura uma prótese ?

Existem diversos fatores que determinam a duração de uma prótese . Entre eles , podemos destacar : peso do paciente ( pacientes pesados “gastam” mais a prótese ) , técnica empregada ( prótese colocada segundo rígidos critérios já estudados ) , qualidade do material , nível de atividade após a cirurgia e eventuais traumas pós operatórios. Cirurgias bem executadas podem durar de 15 a 20 anos, podendo ser necessária a troca de algum dos componentes num segundo momento ( revisão ) .

Passos de um cirurgia no quadril

As figuras abaixo mostram simplificadamente como é realizada uma cirurgia de prótese do quadril:

Os riscos de uma artroplastia

 A artroplastia se tornou bastante comum, mas ainda há riscos. Felizmente, mais de 90% dos pacientes submetidos à prótese te m bons resultados.Você deve ter uma discussão cuidadosa com seu médico antes de uma cirurgia no quadril e certifique-se de ter suas perguntas respondidas.Os riscos potenciais de uma cirurgia no quadril incluem:
– trombose venose profunda ( TVP ) : para evitá-la normalmente usamos anticoagulantes após a cirurgia ;
– perda de sangue ;
–  infecção da prótese : caso ocorra , trata-se de grave situação e muitas vezes a retirada da prótese faz-se necessária ;
– luxação do quadril;
– diferença de comprimento da perna;
– soltura do implante de quadril.

Reabilitação após a cirurgia

O sucesso do procedimento é em parte devido ao período de reabilitação que se segue à cirurgia. Para os pacientes alcançarem um bom resultado , devem participar ativamente da reabilitação. O paciente vai trabalhar com um fisioterapeuta, ainda  no hospital , com exercícios terapêuticos  na cama ou sentado  . O fisioterapeuta lhe auxiliará a caminhar com um andador  ,  apoiando ou não o lado operado , conforme as orientações médicas. A ênfase nos estágios iniciais da reabilitação é para manter o movimento do quadril e  que o doente possa andar com segurança.

Bursite – o que é e onde ocorre ?

Um dos nomes mais conhecidos na ortopedia é o da bursite , que é utilizado quando a bursa está inflamada . A bursa é uma bolsa presente em algumas articulações , preenchida por liquído e que tem a função de facilitar o deslizamento de tendões na articulação e também proteger proeminências ósseas . Atua como uma “almofada “. Encontramos bursas em diversas juntas , sendo as mais importantes : ombro , quadril , cotovelo , joelho , tornozelo e pé ( hálux ou “dedão”) .

Existem várias causas para ocorrer uma bursite : excesso de movimentos , traumas , infecção , processos reumatológicos e gota.

Abaixo mostro algumas figuras que ilustram alguns tipos de bursite :

Bursite do joelho

                     

Bursa do quadril

Bursite do ombro

Bursa do cotovelo

O tratamento da bursite deve ser individualizado , já que as causas são diversas . Medicamentos , fisioterapia, repouso , gelo e até cirurgia podem ser necessários , após a correta avaliação do ortopedista .Não muito tempo atrás , quase todas as dores do ombro ( rupturas dos tendões do manguito rotador, tendinite , capsulite ) eram chamadas de bursite e isso certamente levava a falhas de tratamento . Isso também vale para o quadril : algumas vezes , o que tratávamos como bursite , na verdade era um atrito da cabeça do fêmur com a bacia ( impacto fêmoro-acetabular ) e as queixas persistiam com o tratamento errado . É uma regra básica da medicina : com o melhor entendimento da doença , com o diagnóstico preciso e o tratamento adequado ,os melhores resultados aparecem .

Tratando dor no joelho com exercícios para o quadril

Existem inúmeras causas de dores nos joelhos , sendo que uma das mais frequentes é denominada de síndrome patelofemoral . Esta entidade resulta da irritação da cartilagem que recobre a patela (rótula) , o osso mais anterior do joelho .  Tradicionalmente , o tratamento era baseado em medicamentos , repouso ,  gelo e exercícios de fortalecimento do quadríceps ( o músculo anterior da coxa ) . E , não infrequentemente , com resultados pouco convincentes.

Estudos mais recentes levaram a um melhor entendimento da mecânica do joelho e mostraram que o movimento da patela é mais influenciado pelos músculos dos quadris do que pelo quadríceps . Um destes estudos mostrou que mulheres corredoras tratadas com um programa de fortalecimento dos quadris tiveram uma redução significativa de dor nos joelhos. Veja mais detalhes neste link.

Um outro estudo que aponta para esta mesma linha de tratamento mostrou que uma mudança na marcha de corredores melhorou a mecânica do quadril e levou a quadros dolorosos menos intensos sobre os joelhos. Veja mais sobre este estudo aqui.

Acredito que outros estudos esclarecerão ainda mais esta questão e , sem dúvida nenhuma, nos ajudarão a combater dores até hoje de difícil tratamento na ortopedia.

Paciente politraumatizado – fratura de fêmur , clavícula , joelho e costelas

Atendi um paciente de 49 anos , homem , que foi vítima de um acidente automobilístico nas ruas de São Paulo . Estava na posição de carona e o carro foi atingido lateralmente por um ônibus. Além dos achados que descreverei a seguir , um fato daria um contorno mais difícil a este caso : o paciente já fora vítima de outro acidente há mais de 20 anos e na ocasião foi submetido a uma amputação da perna , abaixo do joelho .

Os achados ortopédicos incluiam : fratura do fêmur direito , fratura do joelho direito , fratura da clavícula esquerda e fratura de costelas do lado esquerdo . Diante disto , decidimos pela estabilização das fraturas acima ,com exceção das costelas , que deverão consolidar naturalmente com o tempo . Usamos placas e parafusos na clavícula e no joelho e uma haste intra-medular no fêmur .Em relação ao pós-operatório , que ainda está no início , daremos atenção especial a fisioterapia para o joelho e o fêmur e que o paciente consiga sentar o mais precocemente possível . Não permitiremos a caminhada antes de 1,5 mês , porque houve a fratura da clavícula e o paciente não poderá usar nem andador e nem muletas e ainda usa uma prótese na perna esquerda . Abaixo coloca as radiografias pré e pós operatórias.

fratura da clavícula depois da cirurgia

fratura da clavícula antes da cirurgia

fratura do fêmur depois da cirurgia

fratura do fêmur antes da cirurgia

fratura do joelho antes da cirurgia

fratura do joelho depois da cirurgia