Cotovelo do tenista ou epicondilite lateral : dicas

Como ortopedista e como praticante de tênis , estou muito acostumado com esta ” doença ”  , também chamada de tennis elbow.
A epicondilite lateral é  bastante comum entre os praticantes desta modalidade e é difícil de encontrar um tenista amador que nunca tenha sentido algum tipo de dor no cotovelo .
Darei algumas dicas a seguir , baseados no meu conhecimento médico e também como jogador que já teve sua “carreira” atrapalhada , em algum momento ,  por este mal .

– uso da raquete : depois que comprei uma raquete “especial “para epicondilite , da marca Prokennex kinetic, meu cotovelo respirou aliviado . Acho que vale o investimento .  Não é uma raquete barata , mas quem tem epicondilite sabe o quanto isto atrapalha .  A dor , em alguns casos , chega a afetar  o desempenho profissional ( incomoda para digitar , carregar uma mala , cumprimentar uma pessoa e até para fazer cirurgias ! ) . Existem muitos  outros fatores técnicos a respeito do equipamento , que podem ser melhor compreendidos no seguinte artigo :

http://www2.uol.com.br/tenisbrasil/instrucao/seujogo/ciencia/ciencia-03.htm

– respeite a dor , não exagere nas horas jogadas , evite dias seguidos sem descanso ;
– faca um fortalecimento adequado dos membros superiores ;
– tente melhorar a técnica do backhand  ;


– procure ajuda médica , o uso de medicamentos e fisioterapia são fundamentais em alguns casos ;
– em algumas situações , não tem jeito – você terá que ficar afastado das quadras por um bom tempo – 2 a 3 meses até resolver esta inflamação ;
– gelo pode ser usado , com alívio da dor.

–  uso de cotoveleiras ( tensores ) : não costumo indicar  , alguns jogadores relatam um pouco de conforto quando o usam ;

–  existem infiltrações , com corticóide ou com prp ( plasma rico em plaquetas ) que podem ser indicadas , prefiro deixá-las para situações extremas .

Tendinites do cotovelo

A tendinite no cotovelo pode acometer diversos grupos musculares , recebendo diferentes nomes dependendo da localização anatômica e músculos envolvidos . Assim , podemos ter a  epicondilite lateral ( a mais comum , envolvendo a musculatura extensora ) , a epicondilite medial ( musculatura flexora ) e a tendinite do tríceps ( região posterior ) .

A origem deste problema normalmente está relacionada a alguma sobrecarga de movimento , seja ela relacionado ao esporte (tênis ,por exemplo) , ao trabalho ( digitação excessiva , serviços domésticos,trabalhos manuais ) ou algum hobby ( videogame , marcenaria , etc) . A epicondilite lateral também é conhecida por cotovelo do tenista ( “tennis elbow” ) , mas apenas uma pequena parte dos paciente com esta patologia joga tênis. Já a epicondilite medial é conhecida por cotovelo do golfista ( ” golfer’s elbow ” ) .

Caracteriza-se por um quadro doloroso , inicialmente leve mas que pode progredir para uma dor de grande intensidade e  persistente , levando a uma dificuldade para executar movimentos simples como carregar uma pequena bolsa ou apertar a mão de um colega .

O diagnóstico é fácil , através da história e do exame físico . Exames como raio-x e ultrassom podem ser pedidos em alguns casos , para afastar outras possibilidades diagnósticas . Raramente a ressonância magnética é pedida.

O tratamento envolve muitos aspectos, que podem incluir medicamentos anti-inflamatórios , gelo local , repouso , correção de gestos esportivos  , mudança de postura no trabalho , exercícios de fortalecimento , infiltrações , fisioterapia e até cirurgia (raramente necessária )  . O tratamento deve ser personalizado e o tratamento precoce é fundamental para uma recuperação mais rápida e fácil  .