Dores no pescoço e uso de celular

Todos nós usamos telefones celulares . Todos os dias  e praticamente o dia todo . E o usamos não propriamente como telefone,  grudado ao ouvido , mas como um smartphone , lendo ou teclando nos diversos aplicativos disponíveis.  E este excesso de uso já vem causando problemas ortopédicos muito frequentes  em todas as faixas etárias . Além das tendinites e tenossinovites nos dedos das mãos e punhos , uma região que também vem sofrendo com esta atividade moderna é a região cervical . A procura por um ortopedista em relação a este problema tem aumentado.

Veja a figura abaixo :

 

Ela mostra que dependendo da inclinação do pescoço , o peso da cabeça “aumenta” , ou seja , a força aplicada na região cervical vai aumentando conforme vamos fletindo o pescoço , chegando a incríveis 27 kg quando estamos com 60 graus de flexão .  Isso vai colocando um stress grande sobre as vértebras , discos intervertebrais e músculos  . E este processo , no longo prazo , pode causar prejuízos graves. Inicialmente podemos sentir um leve desconforto local . Depois uma dorzinha de cabeça pode aparecer , torcicolos , contraturas ou outros sinais podem também ocorrer.  Em casos mais graves , degenerações dos discos ou hérnias discais dolorosas e incapacitantes podem surgir .

Assim , a informação é a primeira arma para evitar distúrbios mais sérios.  O auto policiamento , corrigindo posturas viciosas , é fundamental . Uma cadeira confortável também ajuda  . A angulação dos olhos , diminuindo a sobrecarga sobre o pescoço , também pode ser modificada . Exercícios de alongamentos  e fortalecimento desta região também devem ser rotineiramente realizados. E , acima de tudo , bom senso : como quase tudo na vida , o excesso deve ser combatido !

 

Curvas da coluna vertebral – cifose e lordose

Abaixo mostro uma radiografia digital de uma paciente de 52 anos com queixa de dor nas costas . Neste artigo discutirei brevemente alguns aspectos da imagem , sem entrar no tratamento do caso.

Nela podemos contemplar uma  bonita imagem do esqueleto , incluindo parte dos ossos do crânio , os ossos da coluna vertebral , o arcabouço torácico e parte da bacia . Do lado esquerdo temos uma visão de perfil e do lado direito temos uma visão frontal  .

esqueleto

Ao desenharmos uma linha sobre os centros das vértebras , teríamos a seguinte imagem :

esqueleto2

Simplificadamente , poderíamos dizer que , vista de frente , a coluna descreve praticamente uma linha reta. Se formos mais rigorosos , observamos sim pequenas curvas , caracterizando uma leve escoliose .

Por outro lado , quando vista de perfil , a coluna apresenta duas curvas acentuadas , a curva lombar ( número 1) , chamada  lordose ,  e a curva torácica (número 2 ) , chamada cifose . Estas curvas estão presentes em todos nós , em maior ou menor grau . Quando aumentadas , podem trazer problemas estéticos , dor , problemas funcionais , entre outros . O envelhecimento , normalmente acompanhado por um grau de osteoporose , favorece muito o aparecimento da cifose acentuada ( idosos que ficam corcundas ) .

O nervo ciático : alguns conceitos sobre a dor ciática e seu tratamento

O nervo ciático é o nervo mais famoso da Ortopedia , talvez o nervo mais citado na Medicina.  É o  maior nervo do corpo , tem sua origem  na região lombar e  se prolonga até os pés . Também chamado de nervo isquiático , sua fama deve-se aos processos inflamatórios e compressivos que o atingem , causando uma dor bastante desconfortável , conhecida por dor ciática .

 ciatico

O nervo ciático é um nervo misto , com um componente motor ( inerva músculos dos membros inferiores que mexem as pernas e pés ) e outro componente sensitivo ( responsável pela sensibilidade da pele ) . Assim , quando ele é acometido por um processo inflamatório , pode gerar dor , formigamento ( parestesia , para nós médicos ortopedistas ) ou alteração  na força motora ( dificuldade para fazer um movimento ) .

O nervo pode ser comprimido em vários níveis, desde o canal vertebral , na região do forame intervertebral ( espaço entre as vértebras por onde saem as raízes nervosas da medula ) ou em qualquer nível do seu trajeto ( ele passa entre músculos e fáscias  ) . Os dois sexos são acometidos numa frequência parecida . Com o avançar da idade , mais frequentemente o nervo ciático é irritado , por conta dos desgastes  entre as vértebras , pela menor elasticidade muscular , pelas deformidades que vão atingindo a coluna vertebral e outras articulações . A pessoa com peso acima do ideal também tem muito maior probabilidade de ser acometida por uma dor ciática.

As principais causas de irritação do nervo ciático são :

-problemas nos discos intervertebrais , desde protusões até hernias de disco ;

-traumas que atingem a região lombar , incluindo fraturas da coluna ;

-estenose do canal vertebral : estreitamento do túnel por onde passa a medula – normalmente ocorre em pessoas de mais idade ;

-espondilolistese : escorregamento entre vértebras vizinhas ;

-tumores ;

-síndrome do piriforme : contratura de músculo na região posterior do quadril , o nervo ciático pode ser comprimido quando este músculo fica irritado ;

-esforços físicos intensos , como carregar pesos exagerados , com exagerar em atividades como corrida ;

-sobrepeso .

O diagnóstico é feito pelo ortopedista através da história , do exame físico e através de exames complementares  como radiografia , tomografia e ressonância magnética. A dor , que se inicia na região lombar , irradia para a parte posterior da coxa e da perna, podendo atingir o pé , é o ponto central do diagnóstico.

O tratamento deve ser dirigido para a causa da irritação . O tratamento pode envolver : repouso , analgésicos , anti-inflamatórios , corticóides , fisioterapia , acupuntura, rpg , perda de peso e até cirurgia em casos selecionados.

Dor nas costas : fácil solução , difícil resolução . A vida caótica das grandes cidades e a medicina …

Hoje atendi uma senhorita de 30 anos com uma história bastante comum presente no consultório dos ortopedistas . Ela se queixava de dores nas costas , desde a região dorsal ( meio das costas ) , passando pela lombar e com irradiação para a coxa direita . A dor já vinha lhe incomodando há mais de 1 ano mas tinha piorado no último mês . Também se queixava de desconforto no joelho .

Com este quadro , de imediato já pensamos num problema mecânico na coluna , com irritação do nervo ciático ( irradiação para as pernas ) . Pergunto sobre a sua rotina diária : mora no ABC paulista , acorda às 6h , pega o transporte para o centro de São Paulo e chega ao serviço às 8h . Durante seu expediente , fica sentada na frente do computador na maior parte do tempo. Trabalha até as 17, 18h e depois retorna para a sua casa , chegando por volta das 20h , quando trânsito ajuda ! Tem um tempinho para as crianças , para o marido talvez , e o outro dia já está começando . Final de semana reserva para as coisas de casa e um pouquinho para os pequenos . São histórias parecidas como esta que ouvimos muitas e muitas vezes dos nossos pacientes . A vida moderna não está nada fácil nos grandes centros . Estamos escravos do trabalho e parece que vivemos para trabalhar e não que trabalhamos para viver .

Faço o exame físico , percebo que a paciente está gordinha ( pesa 78 kg , há um ano pesava 71 , o que dá um ganho de 10% ) . As dores na musculatura paravertebral ( ao lado da coluna , que ajuda a sustentá-la ) estão presentes , mas sem nenhuma gravidade maior . A falta de flexibilidade também me chama a atenção . O joelho apresenta uma crepitação , faz um crec-crec , parecendo faltar lubrificação .

Complemento com exames de raio-x simples . Eles me mostram uma pequena escoliose ,que a paciente já dissera possuir desde os 15 anos . Nada significativo , nada grave .
Caso solucionado : lombalgia mecânica , com irritação do nervo ciático , condropatia ( inflamação da cartilagem ) do joelho .

Se o diagnóstico foi fácil , a resolução do problema parece mais difícil . Prescrevi inicialmente uma medicação anti-inflamatória e algumas sessões de fisioterapia . A tomada do remédio e o alívio imediato da dor são a parte mais simples do tratamento . A realização da fisioterapia é factível , é um pouco chata de realizar , mas também pode ser cumprida pela maioria dos pacientes . Mas o resto do tratamento , que considero mais importante , é difícil de ser realizado , exigindo paciência ,  dedicação , perseverança e ….TEMPO .

Para resolvermos o problema da coluna , teremos que trabalhar alguns conceitos importantes :

1) perda de peso : o sobrepeso é causa importante de dor na coluna e de dor nos joelhos. Para perder peso , não existe fórmula simples , quem a descobrir ficará rico . A dupla exercício-dieta ajuda muito na perda de peso , mas como fazer isso trabalhando o dia inteiro , comendo fora de casa  , não tendo tempo para se exercitar ?

2) exercícios : além de ajudar a perder peso , os exercícios de alongamento e fortalecimento da musculatura da região lombar , abdominal , glúteos e membros inferiores garantem uma proteção para a coluna como um todo , diminuindo a ocorrência de problemas nos discos intervertebrais , nos nervos paravertebrais e nas articulações da coluna e da coluna com a bacia . Mas como fazer os exercícios, como conciliar sua realização com esta rotina maluca a que estamos submetidos ? Difícil de dizer …

3) ergonomia : como ficamos muito tempo sentados na frente do computador , é importante que fiquemos bem acomodados , já que vícios posturais podem agravar problemas da coluna lombar . Assim , uma cadeira confortável , uma boa mesa , um telefone adequadamente posicionado contribuem para tornar o dia menos desgastante.

Enfim , o cenário parece meio desanimador . O que penso , na verdade , é que a nossa cidade ( e sociedade)  está (ão) doente (s) e seus moradores obviamente sofrem as consequências desta desorganização social. A qualidade de vida das pessoas está deteriorada e um longo trabalho de reorganização social terá que ser desenvolvido para um resolvermos os problemas físicos dos pacientes -moradores da nossa metrópole.

Atualização : ontem escrevi este post , hoje li na Folha uma interessante entrevista de um pensador italiano , na qual ele pondera :

TEORIA…

Hoje, a força de trabalho é composta apenas por um terço de operários, outro terço de trabalhadores intelectuais em funções executivas (bancário, recepcionista etc.) e um último terço de funcionários com atividades criativas (jornalista, profissional liberal, cientista etc.).

Se o trabalho for repetitivo, cansativo, chato, de subordinação, reduz-se a uma escravidão, a uma tortura, a um castigo bíblico. Nesse caso, a única defesa consiste em trabalhar o menos possível, pelo menor número de anos possível.

Mas se, em vez disso, for uma atividade intelectual e criativa –que corresponde à nossa vocação e ao nosso profissionalismo–, então ocupa toda nossa inteligência e satisfaz nossas necessidades de auto-realização. Nesse caso confunde-se o trabalho com o estudo e com o lazer, transformando o trabalho em ócio criativo.

Na vida pós-industrial, organizada para produzir principalmente ideias, não existe trabalho e não existe horário. Existe apenas ócio criativo, que dura 24 horas, mesmo quando se dorme e se produz ideias sonhando.

…E PRÁTICA

As empresas ainda não se deram conta deste novo momento global. A oferta de trabalho diminui e a procura por trabalho cresce, mas as empresas não reduzem a carga horária. Poderíamos trabalhar todos e pouco, mas alguns trabalham dez horas por dia enquanto seus filhos estão desempregados.

As tecnologias da informação possibilitam o teletrabalho, mas todos continuam a trabalhar nas empresas. A produção de ideias precisa de autonomia e de liberdade, mas as empresas tornam-se cada vez mais burocráticas. As distâncias culturais entre os chefes e os funcionários diminuem, mas as das faixas salariais aumentam. As empresas pregam colaboração, mas estimulam competitividade.

Osteoporose : mitos e verdades – saiba mais

Por que devemos nos preocupar com a osteoporose? O problema são as fraturas  que podem ocorrer em pessoas com osteoporose. Elas causam enorme sofrimento, muitas vezes requerem cirurgia e podem levar à perda de independência ou até mesmo a morte. As estimativas atuais sugerem que metade das mulheres acima de 50 anos sofrerá uma fratura relacionada à osteoporose.
Infelizmente, há muito desentendimento sobre a osteoporose. Então, vamos falar sobre alguns dos mitos para melhor compreendê-la.
“Osteo” significa osso e “porose” refere-se a qualidade do osso poroso. Ossos porosos têm menos conexões dentro dos ossos do que o necessário para a resistência óssea ideal. Assim como uma ponte com muito poucos suportes de apoio pode ser propensa a entrar em colapso, as pessoas com osteoporose são propensas a fraturas ósseas, especialmente no quadril ,bacia, coluna e punho.

Mitos e Verdades

Mito 1: A osteoporose é dolorosa.
Este é provavelmente o mito mais comum. Na verdade, a osteoporose não causa sintomas a menos que um  osso quebre. Na verdade, a maioria das pessoas com osteoporose não sabe  ser portador  até que um osso se quebre ou que o diagnóstico através de um teste de densidade mineral óssea (densitometria) seja realizado .

Mito 2: Você tem que cair para quebrar um osso devido à osteoporose.
Na verdade, certas fraturas, especialmente aquelas da coluna (chamadas de fraturas por compressão) podem  acontecer sem uma queda ou qualquer outra lesão reconhecida.

Mito 3: Todas as fraturas osteoporóticas são dolorosas.
É verdade que quando você quebra um osso, você vai sentir dor. E fraturas da pelve, quadril ou punho devido à osteoporose são quase sempre dolorosas. Mas  fraturas por compressão, como mencionado acima, podem se desenvolver gradualmente e sem dor, fazendo com que o osso da coluna, normalmente retangular , se transforme em  um triângulo. É uma das razões para as pessoas com osteoporose muitas vezes perderem altura e ficarem com uma postura arqueada ( cifose ou corcunda).

Mito 4: A osteoporose é improvável  se sua postura for  normal.
A outra parte deste mito é que uma postura curvada é uma causa de osteoporose. Enquanto fraturas por compressão podem causar a espinha a dobrar para a frente (uma condição chamada de cifose), muitas pessoas com osteoporose tem uma postura perfeitamente normal. “Má postura”  não causa osteoporose e não faz osteoporose existente pior. O oposto também é verdade: boa postura não previne a osteoporose.

Mito 5: Somente mulheres pós-menopáusicas terão  osteoporose.
Enquanto a osteoporose é 4-5 vezes mais comum entre mulheres do que homens (e afeta principalmente mulheres na pós-menopausa), cerca de 25% dos homens vão quebrar um osso devido à osteoporose em algum momento de suas vidas. Em pessoas mais jovens, muitas vezes há pelo menos um fator de risco para a doença, especialmente história familiar ou uso de medicamentos chamados corticosteróides. Entre os homens, a idade avançada e baixos níveis de testosterona são fatores de risco importantes.

Mito 6: Cálcio e vitamina D são os tratamentos adequados para a maioria dos casos de osteoporose.
Embora esses nutrientes sejam  necessários para reconstruir a massa óssea perdida, eles raramente são suficientes por si sós para reverter a osteoporose. Para reconstruir o osso, os médicos prescrevem medicamentos denominados bifosfonatos, tais como o alendronato (Fosamax) ou risedronato (Actonel).

Mito  7: O tratamento agressivo de osteopenia (às vezes chamado de “pré-osteoporose”) é sempre necessário.
A “osteopenia” significa “muito pouco osso.” Não é uma doença. Refere-se a baixa massa óssea, que não é grave o suficiente para indicar a osteoporose. Osteopenia só aumenta ligeiramente o risco de fratura. É por isso que o cálcio, vitamina D e exercícios (as recomendações padrão para mulheres na pós-menopausa, mesmo com massa óssea normal) podem ser tudo que é necessário para manter a saúde óssea. Se você tem osteopenia, converse com seu médico sobre se você precisa fazer algo além do que as medidas de rotina para a saúde óssea.

Mito  8: A osteoporose é inevitável.
Enquanto ficar velho é o maior fator de risco para osteoporose, muitos idosos não vão desenvolver o transtorno. Cálcio dietético ou suplementar, vitamina D, exercícios físicos e bons genes, provavelmente, desempenham um papel protetor. Evitar fatores de risco também é importante. Além da idade, fatores de risco incluem:
• Ser uma mulher na pós-menopausa ou um homem com idade acima de 70
• Ser acamado ou sedentário
• Ter baixo peso corporal
• Fumar
• Ter baixo nível de testosterona (em homens)
• Tomar certos medicamentos (como corticóides, drogas anti-estrógeno , ou alguns medicamentos anti-hipertensivos)
• Ter certas condições médicas, incluindo artrite reumatóide, doença renal crônica, ou um distúrbio alimentar
• Ser caucasiano
• Alcoolismo
• Ter uma história familiar de osteoporose
• Ter uma baixa ingestão de cálcio

Mito 9: A osteoporose não é um grande problema.
Para as pessoas que se sentem bem e sabem que tem osteoporose a partir de um teste de densidade óssea, ela pode não parecer um problema importante. Exercícios físicos, o tratamento com cálcio, vitamina D e uma medicação apropriada pode ser recomendada. Mas, para a pessoa que cai e quebra o quadril, é um problema muito grande. Além da dor, há o risco de complicações da cirurgia de quadril para se preocupar. Cerca de 20% das pessoas que sofrem uma fratura de quadril por osteoporose perdem a sua independência. E, até 25% das pessoas acima de 50 anos com uma fratura osteoporótica de fêmur morrem dentro de um ano. Custos de saúde associados com fraturas relacionadas à osteoporose são mais de US $ 20 bilhões, e este número está aumentando drasticamente à medida que a população envelhece. É um grande problema.

Mito 10: É impossível ter bons ossos além de uma certa idade.
É verdade que nós alcançamos nossa maior densidade óssea em idade adulta com cerca de 20 ou 25 anos de idade . Depois disso, a massa óssea tende a cair. No entanto, estudos mostram que exercícios de resistência podem modelar ossos bons até mesmo entre adultos mais velhos. E  medicamentos específicos para a osteoporose podem aumentar a massa óssea entre os idosos, bem como adultos jovens .

Veja um outro artigo meu sobre osteoporose.

Dor nas costas e ortopedia – o que é importante saber

A queixa de dor nas costas está entre as condições médicas mais comuns , está paro o ortopedista como a gripe está para o clínico geral . Felizmente, os pacientes devem entender que a maioria dos episódios de dor nas costas vai ser resolvida sem maiores complicações . E , geralmente, dentro de algumas semanas.

Compreender a causa da sua dor nas costas é a chave para o tratamento adequado. Como a dor nas costas às vezes é difícil de tratar, uma melhor compreensão da causa da sua condição vai ajudar na sua recuperação.

 Causas de dor nas costas:

0) Sobrepeso e sedentarismo : são na minha opinião os principais motivos que geram as dores da coluna e desencadeiam os fatores abordados abaixo . Sendo assim , no tratamento destas dores , a pessoa normalmente terá de perder peso e terá de fazer alguma atividade física  ;

1) Dores musculares :tensões musculares são a causa mais comum de dor lombar. Pacientes podem ou não se lembrar do evento inicial que desencadeou o seu espasmo muscular, mas a boa notícia é que a maioria dos episódios de dor nas costas devido a tensões musculares resolver-se-á completamente dentro de poucas semanas.

 2) Hérnia de Disco : Um disco intervertebral roto, também chamado de hérnia de disco, é outra causa comum de dor nas costas. O tratamento de uma hérnia de disco depende do indivíduo e da situação.

3) Dor discogênica (discopatia) :dor nas costas de origem discogênica é o resultado de dano ao disco intervertabral, mas sem hérnia de disco . O diagnóstico de dor nas costas discogênica pode exigir a utilização de uma ressonância .

4) Estenose da coluna vertebral : a estenose espinhal provoca dores nas costas geralmente na população idosa. À medida que envelhecemos, o canal medular pode se tornar restrito, em parte devido à artrite e outras condições. Se o canal vertebral torna-se demasiado apertado, a dor nas costas poderá aparecer.

5) Artrite ou artrose da coluna lombar : a artrite mais comumente afeta as articulações, como joelhos e dedos. No entanto, a artrite pode afetar qualquer articulação do corpo, incluindo as pequenas articulações da coluna vertebral. A artrose da coluna vertebral pode causar dor nas costas com o movimento. Conhecida popularmente como ” bico de papagaio” .

6) Espondilolistese :a  espondilolistese causa dor nas costas porque as vértebras adjacentes tornam-se instáveis e começam a “escorregar”. A causa mais comum de espondilolistese é devido a alterações degenerativas causando danos nas estruturas estabilizadoras normais da coluna vertebral. Se a coluna se torna instável o suficiente, a dor nas costas podem se tornar um problema.

7) Osteoporose : a osteoporose pode causar uma série de problemas ortopédicos e desconforto generalizado. A dor nas costas relacionada a osteoporose ocorre por fraturas de vértebras que são comprimidas . A osteoporose torna os ossos fracos e pode levar a estas fraturas.

Dicas para não ter dores nas costas

As dores nas costas estão entre os principais motivos que levam um paciente a procurar um ortopedista . Algumas pequenas dicas , listadas a seguir , ajudam a minimizar a chance de você ter estas dores .

– Caso tenha que levantar um objeto : planeje com antecedência o que você quer fazer e não tenha pressa.Posicione-se perto do objeto que você quer levantar. Separe os pés na largura dos ombros para ter uma base sólida de apoio. Dobre os joelhos. Contraia  os músculos do estômago. Não tente levantar sozinho um objeto que é muito pesado ; se necessário , peça ajuda.

Enquanto estiver segurando o objeto, mantenha os joelhos levemente dobrados para manter o seu equilíbrio. Se você tiver que mover o objeto para um lado, evitar a torção de seu corpo.Ponha os dedos dos pés na direção que você deseja mover e gire nessa direção. Você deve manter o objeto próximo a você quando em movimento.

– Apoiando as suas costas enquanto sentado:

Ao sentar, mantenha as costas em uma posição normal e ligeiramente arqueado. Certifique-se de sua cadeira suporta a região lombar (apoiando o bumbum e não o meio das costas). Mantenha a cabeça e os ombros eretos. Certifique-se de sua superfície de trabalho é na altura apropriada para que você não precisa se inclinar para a frente. Uma vez por hora, se possível, ficar em pé e alongar .Eu sei que não é fácil , mas você deve se policiar e não ficar “esparramado na cadeira , no sofá ou poltrona” .