Prótese da cabeça do rádio – 5 anos de pós operatório

A fratura da cabeça do rádio , na maioria das vezes , é de tratamento não cirúrgico . Quando a fratura ocorre sem que os fragmentos estejam desalinhados ou distantes da posição normal , o tratamento com um período de gesso ou tipóia , seguido de uma fisioterapia adequada , tem um bom resultado . Normalmente o paciente fica sem dor e os movimentos voltam à normalidade.

Quando ocorre uma fratura com alguns fragmentos que se deslocam ou quando o osso se despedaça  , uma cirurgia pode ser necessária.  Em alguns casos conseguimos remontar o osso , fixando os pequenos fragmentos à posição normal com delicados parafusos . Em outros casos , a reconstrução não é possível e uma substituição da cabeça do rádio é feita com a implantação de uma prótese . Foi o que fiz neste caso . A paciente foi operada há cerca de 5 anos , retornou comigo recentemente para avaliar uma outra queixa ( dor no joelho ) . Aproveitei para fazer uma revisão de como estava seu cotovelo e pude constatar uma articulação praticamente normal , sem dor e boa movimentação , como demonstra o vídeo abaixo , seguido das radiografias atuais.

img_2223img_2222

protese-da-cabeca-do-radio

Livro sobre artroplastia total do joelho

Image

Acabei de ler um interessante livro sobre o balanço ligamentar na artroplastia total do joelho ( prótese de joelho )  .

Acrescentou-me alguns conceitos interessantes numa das cirurgias mais realizadas na ortopedia .

Através destes conceitos, o sucesso da cirurgia fica mais fácil de ser atingido . Vale a pena conferir ,  para aqueles que tem na sua rotina a realização deste procedimento . Apresenta uma visão francesa , bastante respeitada no mundo.

Seguem no link maiores detalhes do livro .

Osteoartrose ou artrose do joelho

INTRODUÇÃO
A osteoartrose é uma doença que se caracteriza pelo desgaste da cartilagem articular . Também é conhecida pelo nome de osteoartrite ou simplesmente artrose  .Quando  acomete o joelho , é denominadada  gonartrose . Tem um caráter inflamatório e  degenerativo.
Geralmente tem uma evolução lenta , progredindo com a idade . Estudos epidemiológicos mostraram que cerca de 5% dos indivíduos com menos de 30 anos são portadores de artrose do joelho e que quase 100% dos pacientes com mais de 85 anos possuem artrose .

BIOLOGIA
A cartilagem articular é uma cartilagem do tipo hialina e é constituída por proteínas, colágeno , células(condrócitos) e água . É  um tecido vivo, que sofre alterações dinâmicas . Quando o processo de regeneração realizado pelos condrócitos fica mais lento que  o processo natural de destruição da matriz condral , a cartilagem fica mais fina e desorganizada e um processo inflamatório se instala ,o que também ajuda a aumentar o desgaste articular .

FATORES DE RISCO
A artrose do  joelho , por ser uma articulção que recebe carga , está diretamente relacionada com o sobrepeso e a obesidade . Justamente por isso , como veremos adiante , um dos pilares do tratamento é a redução do peso .
A forma do joelho também pode contribuir para a artrose . Assim , joelhos bastante arqueados ( geno varo ou varismo do joelho ) normalmente desgastam muito a parte interna ou medial do joelho. E , joelhos “em x” (geno valgo ou valgismo do joelho ) desgastam mais a parte externa ou lateral do joelho.
Fatores traumáticos , como fraturas , entorses e o excesso de atividades também são fatores importantes no aparecimento da artrose. Pessoas que tiveram um ligamento cruzado rompido e que não operaram normalmente desenvolvem uma artrose precoce em relação ao lado não lesado .
Doenças sistêmicas como artrite reumatóide, condrocalcinose, sinovite vilonodular , gota e doenças infecciosas como a pioartrite , também são causas de artrose do joelho .
O fator genético ou hereditário tem um peso importante na gênese da osteoartrose.

QUADRO CLÍNICO
A dor é a principal queixa do paciente com artrose . E sua intensidade dependerá do grau de artrose . Inicialmente poderá ser apenas um desconforto após uma caminhada mais longa , após subir alguns lances de escada . E vai progredindo para uma dor de forte intensidade , mesmo no repouso e na cama .
A rigidez , com dificuldade para dobrar o joelho e também esticá-lo , também está presente . É comum a rigidez matinal , que melhora no decorrer  do dia.
Alguns paciente se queixam de uma tumoração na parte posterior do joelho , como se tivesse aparecido uma “bola” . Normalmente é um cisto , que denominamos de cisto de Baker .
O joelho pode inchar , o que chamamos de derrame articular.
A crepitação , com estalido até audíveis , é comum ao subir e descer escadas .
O formato  do joelho pode se alterar , tornando-se mais volumosos e ocorrendo deformidades progressivas .

DIAGNÓSTICO
O diagnóstico é facilmente realizado e baseado na história , no exame físico e em radiografias simples ( Raio-x ) . Em alguns casos selecionados podemos solicitar tomografia computadorizada ou ressonância magnética . Alguns exames laboratoriais podem mostrar doenças reumatológicas ou infecciosas.

TRATAMENTO
O tratamento deve ser individualizado , considerando as características de cada paciente . Assim , a idade , as atividades que ela pratica , seu peso , a presença de deformidades  , a intensidade da dor , a presença de doenças sistêmicas , todos estes fatores devem ser considerados. Portanto , seu médico é quem melhor pode avaliar qual o melhor tratamento .
Os tratamentos disponíveis são variados , devemos individualizar dependendo das características de cada paciente :
1) Comportamental :
– peso : o controle de peso é de fundamental importância na artrose do joelho . Alguns quilos a menos podem significar uma artrose sem dor, sem remédio , sem cirurgia e controlada . E alguns quilos a mais podem levar a tratamentos cirúrgicos complexos com resultados infelizes ;
– mudança de atividade : o excesso de atividades físicas pode desgastar a cartilagem excessivamente e ‘as vezes é necessária uma redução na carga de exercícios ( saber poupar ! ) . Algumas atividades podem ser substituídas por outras que causam menor impacto . Por outro lado , o sedentarismo também é prejudicial e exercícios leves com orientação ( priorizar a flexibilidade e os alongamentos ) são fundamentais no tratamento da artrose .
2) Medicamentoso:
– existem diversas categorias de remédios que podemos utilizar .Assim , os analgésicos e antiinflamatórios são os mais utilizados , ajudando basicamente a controlar a cor , sem efeito sobre a evolução da doença .Os medicamentos chamados condroprotetores atuam diretamente na cartilagem  , podendo diminuir a progressão da artrose , além de também contribuir com algum efeito antiinflamatório.Dentre os condroprotetores ,os mais utilizados são o sulfato de glicosamina e condroitina ( normalmente associados ) e a diacereína .
– infiltração :algumas medicações podem ser infiltradas no joelho , como corticosteróides diluídos em anestésicos locais.Quando a artrose ainda não é avançada , promovem uma significativa melhora da dor .Um procedimento chamado de viscossuplementação consiste na infiltração de “lubrificantes” especiais , como o ácido hialurônico , diminuindo o atrito articular e aliviando o quadro álgico.Costumamos realizar este procedimento em aplicações semanais , totalizando 3 infiltrações.
3) Terapias  :
– a fisioterapia , através de meios físicos analgésicos ( ondas curtas , TENS , ultrasom , gelo , calor ) e através de meios cinesioterápicos ( alongamentos, fortalecimento muscular , manipulações ) é bastante empregada e tem um efeito bastante positivo no controle da dor ;
– a acupuntura também pode ser utilizada , alguns pacientes relatam um  efeito analgésico interessante com mínimos efeitos colaterais ;
– hidroterapia .
4) Tratamento cirúrgico :
dependerá de uma análise detalhada do paciente e criteriosa do médico , do grau de artrose , de patologias associadas , da idade do paciente , de cirurgias prévias realizadas . Algumas possibilidades são :
– artroscopia : podemos realizar uma limpeza (toillete) cirúrgica de fragmentos articulares ( corpos livres ) , meniscectomias parciais , sinovectomia , que podem contribuir para um alívio temporário da dor .  Normalmente indicada apenas naqueles casos de artrose incipiente .
– osteotomias : são cirurgias que promovem cortes ósseos para corrigir deformidades da tíbia ou do fêmur . Assim , pacientes com o joelho muito arqueado ( varo ) , podem ser submetidos a uma osteotomia valgizante da tíbia . E pacientes com o joelho em “x” podem ser submetidos a uma osteotomia varizante do fêmur . Nestas cirurgias utilizamos placas e parafusos que fixam o osso na posição desejada . Normalmente o paciente fica um período sem apoiar o pé .
–  artroplastias ( próteses ) :  as próteses parciais ou totais são utilizadas para substituir a articulação .  A mais utilizada é a prótese total , que consiste na substituição do fêmur , da tíbia ,da patela e na colocação de um plástico especial  ( polietileno ) entre estes componentes.  A indicação da cirurgia da prótese deve ser analisada com muito cuidado pelo médico , levando em conta a intensidade da dor , o grau de artrose e deformidade , o peso do paciente , a presença de doenças associadas. Quando bem indicada , bem executada , a prótese do joelho apresenta resultados gratificantes , com a melhora da dor , melhora da mobilidade e correção de deformidades. Esta cirurgia deve ser realizada num hospital de médio ou grande porte , o paciente fica internado de 3 a 5 dias e normalmente já sai andando com o auxílio de andadores . Uma fisioterapia bem executada no pós-operatório também é fundamental para o sucesso deste procedimento.

Veja uma uma animação que mostra como é uma cirurgia de prótese.